Os Super Gorrila uniram-se para extrapolar a ideia de arte institucionalizada criada por especialistas para uma fracção muito específica da sociedade.

Através de desvios à retórica quotidiana urbana e de incursões nos diversos mecanismos de representação, os Super Gorrila apropriaram-se do conceito de marketing viral, para estruturar as suas intervenções artísticas, apontando para um espaço social mais alargado e diverso, interrompendo percursos despreocupados com apontamentos cuidados e acutilantes criando o rumor de um novo produto ou serviço, neste caso especifico, Arte.

Uma Arte que procura o encontro, a comunicação e a partilha, que pesquisa variações formais do existente para reinventar, reintroduzir e re-apresentar o mundo ao mundo. Fazer igual mas de outra maneira.

SUPER GORRILA a obrar desde 2009.

supergorrilas@gmail.com

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Supergorrila no Caldas Late Night 14


O Mapa da nossa participação no CLN, para os nossos seguidores atentos, ocasionais ou simplesmente visitantes que, por acaso, hoje tropeçaram num Gorrila.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Poleiro Super Gorrila


O Caldas Late Night começa já esta Quinta-feira e os Super Gorrilas vão marcar presença neste enigmático evento Caldense. Iremos colocar na Praça 5 de Outubro um posto informativo intitulado de Poleiro Super Gorrila onde poderás encontrar dicas e explicações sobre as outras intervenções Gorrila.


Super Gorrila repetente no Caldas Late Night.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

A Mão do Gorrila VI - Os Caminhos de Portugal em Alta Velocidade e a Casca Sem Semente


Cada vez mais portugueses gostariam de pertencer a Espanha, para esses, acima encontram um mapa que podem imprimir e pôr os pés ao caminho.
Levem a casca que só precisamos da semente.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

terça-feira, 18 de maio de 2010

A Mão do Gorrila IV





SALVEM A LAGOA. SALVEM A PRAIA. SALVEM A ECONOMIA DO BERBIGÃO DO CANCRO DA PELE, DOS FATOS DE BANHO DOS ANOS 70, DA BATATA FRITA PALA-PALA, DAS CASAS DE BANHO PÚBLICAS, DOS SURFISTAS, DOS TURISTAS, DOS CONTRABANDISTAS E DOS FUTURISTAS.

sábado, 15 de maio de 2010

Como montar uma Galeria de Arte em três tempos




1º Passo - Ocupar uma sala abandonada, com paredes branco-sujo e tijoleira marmoreada, cheia de cotão mas despida de elementos decorativos. Deitar uma parede abaixo para criar um falsa saída.

2º Passo - Arrumar todo o lixo e entulho num canto. Aspirar e lavar o chão de uma ponta à outra. Repetir o processo até ver o seu próprio reflexo na tijoleira.


3º Passo - Usar a ultima hora antes da abertura oficial do espaço para criar. Usar todo o entulho e lixo que concentrou no canto da sala para criar Arte Contemporânea.
Preparar o conceito em lume brando e a pouca luz. Servir moderadamente.

Super Gorrila - Galeristas nas horas vagas com poderes curadores.

Papa-me Bento!


Super T-Shirts Gorrila

Um produto exclusivo Super Gorrila

domingo, 9 de maio de 2010

The Art Tomorow


“O sentido estético e de uso de uma obra de arte expandiu os seus limites no contemporâneo a níveis que não tem precedentes. Ao artista sempre foi permitido torcer a realidade, lavar o sentido das coisas e vestir a camiseta do avant-garde no campeonato mainstream social.

Na actualidade, o jogo é diferente. Existe realidade, existe sentido e sem dúvida estamos a viver numa excepcional e excitante época que prima pela inovação e pelos avanços tecnológicos. O tecido real está a sofrer alterações. Agora, mais que nunca, ele está a ser forçado a uma extensão e distensão constante, em todas as direcções, por via da necessidade social instalada de ter sempre a ultima versão de tudo.

A camada do real vê-se actualmente obrigada a um esforço extra e com isso, compelida a abrir os poros o que permite aos artistas penetrar mais profundamente no tecido social existente. Doravante, as relações, a comunicação, a partilha, não podem ser as mesmas.

Artistas superstar, grandes e pomposos museus, galeristas e curadores, são o representativo patético dessa realidade mais fechada e superficial.

Felizmente existem agentes que nos levam no caminho da evolução e falo particularmente de um fresco e inovador colectivo artístico que dá pelo nome de Super Gorrila. A sua arte desenvolvida em contextos locais específicos tem causado um frenesim estético-cultural que extravasa em larga medida os pontos onde este colectivo decide intervir. Bem-hajam. Bem-vindos.” – Jacques Fontaine Lobos in The Art Tomorow



Imagem da foto: fragmento desviante da Gorrila Box que foi confiscado pela polícia municipal portuense por este se encontrar com más companhias.

sábado, 8 de maio de 2010

Gorrila Box - Episódio 2






Blank Space 555


A primeira instalação Blank Space já se encontra disponível para deixares os teus recados, rabiscos, receitas e tudo mais que achares por bem colocar neste espaço reservado para ti. Aproveitada da melhor forma este tempo de antena que te oferecemos. A caneta já lá está mas não escreve sozinha.

Hotel 555 - Rua Duque de Loulé nº 135, ao cimo das escadas.

Acção - Reacção




Cenas dos próximos episódios brevemente em:

quarta-feira, 5 de maio de 2010

A Mão do Gorrila (III) vs A Mão do Papel




Há muita coisa a ser tida em conta e neste caso uma mão não lava a outra.
A principal preocupação da mão do papel é oferecer um produto variado e de qualidade superior embora saiba e avalie a capacidade de investimento do espectador. A preocupação da mão do gorrila é encontrar o suporte indicado para a sua acção. A capacidade de absorção pode e deve ser analisada por ambas as mãos pois os resultados podem ser dramáticos se a escolha for feita de ânimo leve. A alvura do produto é analisada a preceito, entre o branco neve o pérola ou marfim ambas as mãos sabem que podem adequar estrategicamente a cor e a imagem a ser transmitida.
Quem conhece sabe, que, a dimensão e direcção da fibra implica directamente no corte, independentemente da técnica pretende-se um corte limpo e sem desaproveitamento. As mãos anteriormente referidas são ambidestras de personalidade mas, tendencialmente opostas no que se refere à textura do produto em circulação, sendo que, a mão do gorrila prefere sem dúvida algo de apresentação irregular em que a uniformidade não seja uma preocupação para a fluência do médium escolhido em determinada circunstância enquanto, a mão do papel numa perspectiva de alargamento económico, aposta num produto calandrado e de pouca fibra onde os aglutinantes são reis permitindo uma rápida satisfação dos adquirentes. Estas mãos que se cruzam muito alem do esporadicamente pois, reconhecem uma na outra características individuais a serem absorvidas e discutidas em prol de uma crescente aprendizagem de ambas, entendem que, embora todos os itens abordados sejam importantes, o focos está na gramatura, especialidade da mão do papel e paixão da mão do gorrila, a mesma gramagem nem sempre corresponde ao mesmo volume sendo que este pormenor se torna visível na espessura com que o produto se apresenta.
A mão do papel disserta e informa que não está em causa a resistência do mesmo às pressões externas ou mesmo internas e influências que o meio circundante possa ter na eficaz conservação do mesmo já que este é para consumo rápido e de efeito célere, a mão do gorrila discorda, pois tem consciência que o meio ambiente modela tudo segundo um conjunto de regras socialmente impostas por determinado grupo que ao valorizar mais ou menos determinada característica de um produto lhe vai conferir uma leitura que pode surpreender a mão do papel e impossibilitar a eficaz disseminação do seu projecto em conta peso e medida. A gramatura não é aqui partitura mas, é sem dúvida um argumento de peso já que, se, esta característica não for devidamente valorizada pelos absorventes todo o investimento pode se resumir a um cartão sem personalidade de faces acetinadas e cantos angulosos que apenas serve os gulosos mas, é incapaz de revelar a diferenciação pretendida ou defendida que resulta na valorização de uma ideia, conceito ou preceito e que por vezes só se obtem dizendo não ao estucado em ambas as faces.

domingo, 2 de maio de 2010

Mão do Gorrila (II)




Esta Esquizofrenia que me alivia

Está tudo controlado, só seca se tirares a tampa e o after está cancelado.
Para o andar de cima só vais quando te apetecer e quando desceres põe o batom vermelho para acentuar o aumento de volume dos lábios.
Tenho uma coisa para ti, aliás, duas, dois papéis das supergorila que a miúda comeu e queria que fossem para ti...não encontro...depois dou-te.
Queres uma pastilha? Já sei, odeias os sabores artificiais, soam-te a falsificações e preferes que eu masque para tirar o gosto, na boa, dá-me 3 minutos.
Isto agora é só para sócios, preenchem um papel e é como se todos partilhássemos o mesmo ADN, mas só depois de comprar um frigorífico novo para guardar as amostras.
Tens jeito para desenhar letras? Fazias a ementa assim numa letra bonitinha e os papéis para os sócios...hã...que te parece? Cortas os legumes e congelas que assim para a semana já temos cenas prontas para cozinhar só fica a faltar a ementa, alguém há-de tratar disso. Precisas de alguma coisa? Bem... na verdade, esta pergunta é meramente de circunstância, não espero que respondas porque não me apetece tratar de nada mas, vê lá, se precisares diz...

,